terça-feira, 15 de abril de 2014

Renault Étoile Filante: O Carro de Record a Turbina!

Em Paris, na Av. Champs Elisée, as lojas elegantes de moda misturam-se com as lojas de automóveis que são verdadeiros museus. As lojas da Mercedes-Benz, da Citroen, Peugeot e Renault são atrações incríveis e sempre com novidades.

Entrando na loja da Renault, estava o carro de recordes de velocidade de 1956: Renault Étoile Filante, que em francês quer dizer Cometa, inclusive desenhado no belo capô!
A grande fabricante de turbinas Turboméca, deu a idéia para a Renault criar um carro para bater recordes de velocidades. M. de Sziedlowski, dono da Turboméca, depois de 1945, começou a fabricar turbinas menores que foram utilizadas nos helicópteros Alouette. A idéia de colocar uma dessas turbinas, foi transmitida ao Sr. Pierre Lefaucheause, chefe da Renault em Billancourt, que aprovou esse desafio.
O Renault Étoile Filante tem linhas aerodinâmicas testadas em túneis de vento, que eram usadas para testes de aviões em 1954 e 1955. A turbina Turboméca Turmo 1, que foi colocada nele, usava gasolina e sua potência chegava a 270 cavalos de força a 28.000 rpm. A velocidade máxima foi de 330 km/h em menos de 5 minutos em 1956. Foi uma das 4 tentativas que fizeram em Boneville, no lago seco salgado, nos EUA. Esse record nunca foi batido até hoje, e o carro pesava somente 950 kg, com 4,84 metros de comprimento e 1,81 metros de largura. O Renault Étoile Filante foi desenhado para chamar a atenção nas vendas do novo Dauphine, e participou de todos os Salões do Automóvel no Mundo todo.

Renault Étoile Filante de 1954. Étoile Filante quer dizer em Francês: Cometa.

As linhas aerodinâmicas testadas em túnel de vento, um design maravilhoso!

A traseira como um flap de avião, e o Cometa desenhado.

O lateral com o escape da turbina Turboméca.

O cockpit do Renault Étoile Filante.

A instrumentação completa do painel. 

As linhas aerodinâmicas do carro.

Renault Étoile Filante, um verdadeiro cometa que chegou ao Record de 330km/h em 1954.

Rubem Duailibi e o Renault Étoile Filante, em Paris.

sexta-feira, 21 de março de 2014

100 anos da 1ª Guerra Mundial e seus automóveis. Retromobile

Na famosa exposição da Retromobile, que aconteceu na Porte de Versailles em Fevereiro de 2014, foram expostos carros que participaram da 1ª Guerra Mundial.
De 1914 a 1918 a Guerra também foi das indústrias de armas e automóveis! Imaginem as condições que as tropas tinham que enfrentar, como falta de estradas, lama, neve e levar armamento pesado para a luta.
Nessa comemoração dos 100 anos da Primeira Guerra Mundial, foram expostos carros incríveis que vamos ver agora.
Rubem Duailibi, Vittoria Z. Duailibi e Marco Berg Duailibi na entrada da Retromobile, na Port de Versailles em Paris. A maior exposição de Carros Clássicos do mundo!

No meio de um dos corredores da enorme exposição, 
a comemoração do centenário da Primeira Guerra Mundial!

Peugeot Type 1525 de 1917, com motor de 4 cilindros, 4.7 Litros. 
Alcançava a velocidade de 22 a 30 km/h com 4 toneladas de carregamento.

O canhão de 75mm que o De Dion Bouton carregava.

De Dion Bouton tipo GO de 1917. Chamado de Auto-cassion. 
Famosa pelos seus esportivos, de passeio, e motores de aviões, a De Dion Bouton
entra na Primeira Guerra com vários modelos militares. 
O tipo 1525, tinha capacidade de carregar 180 balas, e com seu motor V8 de 60cv, puxava o canhão.

Tanque Léger Renault FT. Motor de 4 cilindros, 4.5 litros, alcançava a velocidade de 7,8km/h na estrada, e 2 ou 3 km/h em terrenos acidentados. Consumia 12 litros de gasolina por hora.

O Tanque Léger Renault FT, tinha lugar para 2 soldados, 
e seu armamento era uma metralhadora Hotchkiss, com capacidade de de 4800 cartuchos, 
ou um canhão de 37mm semi automático com 237 balas.

Tanque Léger Renault FT, com o canhão de 37mm. 

Renault tipo ES 40cv de 1915. Esse carro é famoso por que o General Joffre entro no Castelo La Marq, de propriedade da Taittinger, e liderou a Batalha de Champagne, assim chamada por causa da região no dia 1 de Outubro de 1915.

Renault tipo AG-1 de 1914. Taxi de La Marne.
Em 1914, 10.000 taxis foram convocados pelo General Galliéni, Governador de Paris, nos dias 6 e 7 de Setembro para levar tropas de soldados a Nenteuil-le-Haudoin encontrar a tropa do General Maunoury, que o General Joffre destacou para combater as tropas Alemãs em La Marne, na linha de defesa de Paris. Os taxis voltaram dia 8 de setembro, e cumpriram com seu dever cívico.

Ford T Ambulância de 1918. As primeiras versões de ambulâncias chegaram à França em 1914 pelos voluntários americanos. Vinham pintadas de cinza fosco, e com todos os equipamentos médicos. Em 1916 modificaram o radiador, e os mandavam em forma de "kits", pois a carroceria era montada na França. A indústria automobilistica cresceu muito nos tempos de Guerra.

Vittoria Z. Duailibi e Marco Berg Duailibi, descansam um pouco, na enorme Retromobile!

Depois da Retromobile, a visita fica exclusiva à Cidade Luz! Paris!

quarta-feira, 5 de março de 2014

Trabant - O museu do Trabi em Berlin

Berlin é uma cidade do século 12, e seu primeiro registro data de 1174. Cheia de cultura e história, foi uma cidade que foi totalmente destruída na Segunda Guerra Mundial, e foi reconstruída nas décadas de 60 e 70!
Nessa viagem impressionante, uma das dicas é pegar um ônibus de dois andares que faz a visita guiada pela cidade, e é a melhor forma de conhece-la. Você pode descer em pontos interessantes como o Castelo de Charlottenburg, Pergamon Museum, Bauhaus-Archiv Museum, o museu Tecnológico, Documentationzentrum Berliner Mauer (do muro de Berlin), Check Point Charlie, Trabi Museum e outros. Prepare-se antes de ir a Berlin, pois existem 180 museus com temas diferentes, e mais de 440 galerias de arte e antiguidades.
Kennedy falou sua famosa frase: "Ich bin ein Berliner" em 1963, do lado ocidental, para que o Mundo soubesse que o que estava acontecendo com os alemães que ficaram do outro lado do muro! Uma vergonha! No lado da antiga DDR com a queda do muro em 1989, no mesmo segundo, as casas e antigos apartamentos foram abandonados por quem vivia lá sob um regime terrível e cercado como prisioneiros. Todos os Trabants foram abandonados nas ruas, e mais tarde surgiram oportunidades para reconstruir a antiga Berlin. O muro passava na frente do Portão de Brandenburg, que ficou do lado comunista. Berlin é uma cidade histórica a milênios! Uma cidade linda, que passou por Guerras, pela Guerra Fria, e que está se reerguendo e sendo construída até hoje. Em todos os monumentos que ficaram em pé, que são poucos, existem as marcas dos estilhaços das bombas. É realmente impressionante saber que essa cidade milenar, seus habitantes, foram destruídos por uma guerra estúpida dirigida por um maluco.

Num dos passeios, encontro o Trabi Museum. Vamos ver as fotos!

Marco Berg Duailibi, Rubem e Vittoria Duailibi no Victoria Collumn, que foi construída em 1864 em comemoração da vitória do exercito da Prússia contra os Dinamarqueses. 
Sua escultura representa a Deusa Grega da Vitória.

Marco Berg Duailibi e Vittoria Duailibi no Check Point Charlie, 
junto com um ator fardado que vai pedir Euro 5,00 para tirar a foto.

Rubem Duailibi no Trabi World, onde alugam Trabant's para dar uma volta.

Dentro do Trabi Museum, um DKW.

Outro DKW, com uma modelo caracterizada com roupas de 1940.

Trabant P60 de 1962.

O Trabant foi fabricado pela Sachsenring, em Zwickau, na antiga Alemanha Oriental. 
Esse é o modelo P50.

Um Trabant-Ferrari.

O Trabant Station Wagon, modelo 601, com desenhos Hippies.

Um projetor de cinema.

O Trabi tinha carroceria de plástico, aqui com alguns acessórios como o visor solar e bagageiro.

Foi fabricado de 1957 a 1991, o carro ganha novas versões, mas continua com o mesmo design.

O pequeno museu, e uma versão militar.

O Trabi militar.

Trabant em versão conversível, 4 portas.

Trabant versão Polícia.

Dentro do carro blindado, um astronauta Russo.

Trabant de corrida.

O motor preaparado para competição.

O tradicional modelo, que era monocromático. Um carro popular e barato.

O Trabant atingia 100km/h, e fazia de 0 a 100km/h em 20 segundos. Um carro econômico na estrada: 14km por litro.

Trabi Camping. Station Wagon, modelo 601.

Para viagens, e fins de semana, um Camping.

Um Trabi de 1957.

O Trabi Museum.

Mais uma foto do Trabi Museum. 

Os carros reunidos.

Trabant P60 de 1962.

Por dentro, um painel simples, mas conforto para motorista e passageiro.

O Trabant passando do Muro de Berlin, para o mundo, 
quando colecionadores começaram a comprar esses carrinhos abandonados.

O Portão de Brandenburg.

Coincidência! Um Trabant passando pelo Portão de Branderburg.

O prédio do Reichstag.

Castelo de Charlottenburg, que expõe obras de arte e jóias do tempo do império da Prussia.

A torre do Memorial do Kaiser Wilhelm, que foi totalmente destruído na Segunda Guerra Mundial, 
e mantiveram uma das torres da igreja.

O prédio do Bauhaus-Archiv Museum.

O imponente Orangotango do Zoo de Berlin. Um dos zoológicos mais incríveis do mundo.

Um dos prédios da "Ilha dos Museus". Berlin tem 180 museus, com vários temas!

A vista geral de Berlin, uma cidade que surgiu no Século 12, em 1174 pelos primeiros registros escritos. Uma cidade milenar, com muita história.

Berlin Dom, ou Catedral de Berlin. Foi construído entre 1895 e 1905.

Rubem, Vittoria e Marco Berg Duailibi em Berlin.